Prefeitos da RMC querem unificar ações de enfrentamento à Covid-19

Com o aumento de casos de Covid-19 e a expectativa de que junho seja o mês com o maior crescimento da doença, os prefeitos da região metropolitana de Curitiba (RMC) defendem a adoção de medidas conjuntas, definidas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), para combater o avanço da pandemia. Eles estiveram reunidos em uma videoconferência na tarde desta segunda-feira, dia 8, e concordaram que o momento exige estratégias mais rigorosas e unificadas de isolamento social.

“Não temos mais condições de tomar decisões isoladas. Para que as próximas medidas sejam eficientes, elas precisam vir 'de cima', com embasamento técnico e têm que ser adotadas de forma conjunta”, defendeu o prefeito de Campina Grande do Sul, Bihl Zanetti. O município registra, segundo o último boletim epidemiológico da Sesa, 63 moradores contaminados pela Covid-19 e quatro mortes causadas pela doença – um aumento de 23 casos nos últimos sete dias. Em maio, a prefeitura decretou lockdown por duas semanas em três regiões. 

“Nós prefeitos não podemos decidir sozinhos. Não adianta decretarmos medidas mais rígidas dentro de nossos municípios se a população continuar circulando em cidades vizinhas. Decisões isoladas não são suficientes para garantir o isolamento social”, disse o prefeito de Quatro Barras, Angelo Andreatta (Lara). Entre os quatrobarrenses, até o momento há 45 infectados pela Covid-19 e um deles morreu – um crescimento de 27 casos na última semana. A área rural do município está em lockdown desde o último dia 29.

“Decisões isoladas não são suficientes para garantir o isolamento social”, disse o prefeito Lara.

Marcio Wozniack, prefeito de Fazenda Rio Grande e presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana (Assomec), falou sobre a importância da união entre os gestores. “Vivemos um momento de descrença na política e protestos. Precisamos dar o exemplo e mostrar que aqui em Curitiba e região metropolitana somos coerentes, responsáveis e unidos”. 

Durante a reunião, foram apresentados os últimos números sobre o crescimento dos casos de Covid-19 na RMC e a taxa de ocupação de leitos disponíveis para pacientes dos municípios da região, que saltou de 37% para 58% nos últimos dias. 

Também participaram da videoconferência o prefeito de Campo Largo, Marcelo Puppi, de Balsa Nova, Luiz Claudio Costa, de Cerro Azul, Patrick Magari, entre outros. O encontro ainda teve a presença do vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel, e do presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Gilson Santos. 

TRANSPORTE

Gilson Santos, presidente da Comec, órgão responsável pelo transporte público da região, comentou o movimento nos ônibus: “É reflexo da rotina das pessoas. Quanto mais gente trabalhando e saindo de casa, maior o movimento nos terminais e dentro dos veículos, inclusive nas linhas que ligam uma cidade à outra”.

A prefeita de Colombo, Beti Pavim, sugeriu que o movimento no transporte coletivo seja feito de forma escalonada. “Se as pessoas não precisarem sair de casa e voltar todas no mesmo horário, não haverá essa lotação”. Colombo registra 98 casos de Covid-19 – 42 só na última semana.

RESPOSTA

A diretora de Atenção à Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes, assumiu o compromisso de levar a reivindicação dos prefeitos ao secretário de Saúde, Beto Preto, e à equipe técnica da secretaria. “Vamos trabalhar em uma resposta, como estamos fazendo desde o início da pandemia, com diálogo, honestidade e de forma democrática”. A próxima reunião do grupo está marcada para segunda-feira que vem, dia 15. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *