Forte estiagem exige consumo consciente de água

A falta de chuva no estado tem influenciado o nível dos reservatórios da Sanepar, que estão abaixo do normal, nesta época do ano. A situação acontece em todas as regiões paranaenses que sofrem com o baixo volume das chuvas dos últimos meses.

Esta é a mais forte estiagem registrada no Paraná, desde 1997, ano em que o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná),  começou a monitorar a previsão do tempo. O baixo volume das chuvas vem acontecendo há 10 meses e a previsão é que pelos próximos meses o volume de chuva continue abaixo do normal. Em abril, por exemplo, em Curitiba e região metropolitana, eram esperados 84 milímetros, mas choveu apenas 15. Este foi o segundo mês seguido de nível muito baixo, considerado quando fica abaixo de 20 milímetros.

Um exemplo do impacto provocado pela estiagem é o que ocorre na Represa do Iraí, que fica na divisa dos municípios de Pinhais, Piraquara e Quatro Barras. O local atingiu na última semana o mais baixo nível de capacidade útil de abastecimento com 32,62%. Neste período do ano, o ideal era a represa estar com sua capacidade acima dos 90%. A Represa do Iraí é a principal fonte de água de Curitiba e mais 11 cidades da região metropolitana.

A perspectiva é que somente na estação do verão, que inicia em dezembro e ocorrem chuvas mais volumosas,  a capacidade dos reservatórios volte à normalidade.

RODÍZIO

Com a longa estiagem, que tem influenciado o abastecimento de água, a Sanepar tem realizado, desde o mês de março, o rodízio nas cidades paranaense. Acesse aqui a relação completa do rodízio no abastecimento de água.