Transgênero é tema de Tribuna Livre na Câmara de Colombo

Durante a sessão ordinária realizada recentemente na Câmara Municipal de Colombo, a pedido do vereador Anderson Prego (PT), a representante e coordenadora da Transflorescer, Mayara Amaro, utilizou a tribuna livre do legislativo local para abordar sobre as políticas públicas para as pessoas transgênero.

“O preconceito começa no olhar, começa na piada. Vivenciamos o preconceito constantemente em nossas vidas, sendo a marginalização social a pior. Estou aqui para dar visibilidade a essas pessoas que são iguais a mim. Aqui em Colombo, sou ativista há cerca de dois anos. Infelizmente, não temos políticas públicas apropriadas aqui no município. Somos excluídos de tudo. O preconceito social maior é com as mulheres trans. O Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo. A expectativa de vida é de 35 anos. Enfrentamos dificuldades, preconceitos, ameaças e violências físicas e psicológicas por reivindicarmos nosso lugar”, ressaltou.

Mayara declarou que desde que se assumiu como mulher trans, contudo, viu as portas se fecharem e tem dificuldade de inserção no mercado de trabalho formal. Sem conseguir trabalhar há três anos, ela precisou recorrer à prostituição devido ao preconceito. “90% das mulheres trans tem a prostituição como a principal fonte de renda. As empresas não nos contratam. Sofremos pela falta de emprego. Há muito preconceito dentro de casa, na escola, na rua, nas empresas. Queremos garantir igualdade de acesso às oportunidades”, acrescentou.

Ela enfatizou que um dos maiores desafios é a carência na oferta de ambientes especializados no atendimento a pessoas trans. “Somos invisíveis. Não temos acesso a moradia, a maioria de nós precisa ir para a prostituição e não temos condições ou assistência para ser quem somos. Não temos os direitos e apoios necessários”, desabafou.

Os vereadores fizeram suas manifestações afirmando que as discussões, debates e reflexões acerca do tema são importantes e necessários. Consideram que o respeito, a cooperação social e a empatia são fundamentais, e possibilitam uma maior inserção social e convivência dessa população na sociedade.