Velas e domi-sanitários produzidos por irmãos

Vela, também conhecida como candeia, é uma fonte de luz que existe desde tempos remotos. O que era só para causar iluminação, hoje é utilizada em ocasiões românticas, religiosas, em decoração de ambientes, em cerimônias fúnebres.

Pois de Campina Grande do Sul, onde se fabrica quase tudo, também saem velas. E de todas as cores, tamanhos, tipo 7 dias, 21 dias, palito. A fábrica é a F.G. Química e a marca é Colibri, porque seu proprietário, o professor de Química Paulo Roberto Gavron, é louco por pássaros.

A empresa começou em 2003, mesma época em que o empreendedor trabalhava também com reciclagem de policarbonato, de CDs e DVDs. Um barracão, na rua Clóvis Rogério da Silva Maschio 451 (Cicamp), era para o policarbonato e outro para as velas.

A matéria-prima principal das velas é a parafina e, para que as marcas Colibri saiam das formas, elas vem de muitos lugares, como da Bahia, no Brasil, além do Egito e China.

Domi-sanitários

Em 2009, Paulo Gavron deixou de trabalhar com policarbonato e um barracão ficou desativado. Agora, ele vai sediar a Quimivron, uma sociedade entre Paulo e o irmão Cesar Augusto, especializada em domi-sanitários. Nos próximos dias, já começa a ser distribuído o amaciante de roupas com a marca Vital. Inicialmente em embalagens de 5 litros, mas em breve também em embalagens de 2 litros. E, por ano, é projeto dos manos lançar ao menos um novo produto no mercado.