Vigilante que matou Rodrigo Andreatta é condenado a 25 anos de prisão por homicídio qualificado

O Tribunal do Júri condenou o vigilante Luis Henrique de Oliveira pelo assassinato do empresário Rodrigo Andreatta Ribeiro. A pena será de 25 anos e seis meses de prisão, em regime fechado.

Rodrigo tinha 42 anos e foi morto a tiros na noite de 18 de novembro de 2020, no pátio do posto Costa Brava, do qual era dono. O estabelecimento fica em Quatro Barras, às margens da BR-116.

O júri popular foi realizado no Fórum de Campina Grande do Sul, na última sexta-feira, dia 24, e transmitido ao vivo pelo canal do Tribunal do Júri do Paraná (TJ-PR) no Youtube. Depois de aproximadamente 15 horas de julgamento, a sentença foi anunciada por volta da meia-noite.  

DECISÃO

Depois de ouvir a promotoria, o advogado de defesa e as testemunhas, os jurados consideraram o réu culpado por homicídio qualificado – pelo fato de ter impossibilitado a vítima de se defender. Por outro lado, eles negaram a qualificadora de motivo fútil e as denúncias de ameaças.

Luis Henrique é catarinense e tem 31 anos.

Luis Henrique é catarinense, tem 31 anos e estava preso desde novembro de 2021. Ao longo do julgamento, a defesa alegou que ele agiu dentro da lei e em legítima defesa.

Fellipe Gehr, promotor que atuou no julgamento, avalia a decisão como razoável e acertada. “Os jurados reconheceram o homicídio qualificado e compreenderam bem a responsabilidade penal do réu. Ao final do julgamento fiquei satisfeito e acredito que a família se sentiu minimamente confortada”.

“Fiquei satisfeito e acredito que a família se sentiu minimamente confortada”, avalia o promotor.

“Os debates foram intensos, com conteúdos técnico e emocional presentes durante todas as longas horas do julgamento”, completa o promotor.

Em relação à qualificadora e as ameaças desconsideradas pelos jurados, ele entende que não houve prejuízos. “A decisão deles tem que ser respeitada, pois representam a comunidade”.

MANIFESTAÇÃO

Enquanto ocorria o julgamento, do lado de fora do Fórum familiares e amigos pediam por justiça e lembravam com carinho de Rodrigo. Mensagens como “Para sempre em nossos corações” estamparam faixas e camisetas.

LEMBRE O CASO

Segundo a denúncia, Luis Henrique baleou Rodrigo depois de um desentendimento entre os dois. A confusão ocorreu depois que o ônibus e um caminhão, que também estava estacionado no posto, se envolveram em um pequeno acidente.

Como os dois veículos estavam trancando a saída das bombas de abastecimento, Rodrigo teria pedido ao motorista do ônibus para que tirasse o veículo do local e, nesse momento, o vigilante teria sacado a arma.

O ônibus escoltado por Luis Henrique tinha saído de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, e levava passageiros para fazerem compras em São Paulo.