Jovem campinense é medalhista na Olimpíada Nacional em História do Brasil

A campinense Mayumi Addad Ishida, de 17 anos, recebeu medalha de bronze na 13ª edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB). Ela é ex-aluna do Colégio Estadual Campo Sales, de Campina Grande do Sul, e atualmente cursa Petróleo e Gás 2 no campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

A primeira fase da Olimpíada foi realizada em maio, com 28,1 mil estudantes divididos em 9,3 mil equipes. A etapa final teve a participação de 415 equipes de vários estados brasileiros. A divulgação do resultado foi no dia 12 de setembro.

Mayumi representou a equipe Montenegro, composta também pelas alunas Giovanna Guilherme Iancoski e Maria Júlia Biesemeyer. A orientação foi do professor Denilson Schena. Eles passaram por seis fases de 3 de maio até 12 de junho.

Ao longo desse período, a equipe se dedicou à resolução das questões e das atividades propostas pela Olimpíada. As reuniões de orientação tiveram a contribuição de equipes e professores de outros campi do IFPR e, inclusive, de outras instituições. 

“A conquista alcançada pela Mayumi, pela Giovana e pela Maria Júlia só foi possível devido ao comprometimento e dedicação que elas tiveram ao longo da competição. Certamente esta experiência de participar de uma olimpíada científica tão competitiva, chegar à fase final e conquistar medalha é muito significativa para as estudantes. Foram muitas horas dedicadas ao estudo, análise e resolução das questões. Com disciplina, determinação e foco, a equipe fez história e deixou um importante legado para os próximos olímpicos”, disse o professor Denilson Schena.

A ONHB é um projeto de extensão da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desenvolvido pelo departamento de história. A competição tem a participação de docentes e alunos de pós-graduação e graduação. A primeira edição ocorreu em 2009.

De acordo com Cristina Meneguello, coordenadora da Olimpíada e professora do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, os objetivos são valorizar o ensino de história e celebrar a relevância de professores e estudantes na construção coletiva do conhecimento. A ONHB também mobiliza temas interdisciplinares (geografia, literatura, arqueologia, arquitetura, urbanismo e atualidades) e tem impacto positivo na leitura, compreensão e escrita dos estudantes participantes.