Após recomendação do Ministério da Saúde, salta procura por máscaras de tecido

Depois que o uso de máscaras de tecido passou a ser aconselhado pelo Ministério da Saúde como barreira física contra o novo coronavírus, a procura pelo acessório cresceu. “Desde o começo da pandemia, eu tinha vendido 20 máscaras. Só no dia em que ministro fez a recomendação do uso pela primeira vez, recebi 40 pedidos”, conta a professora e artesã Izalita Canestraro. 

Os laços, bandanas e roupas infantis do 'Iza For Baby' deram lugar ao item que, de uma hora para outra, tornou-se essencial. “Tive que parar toda a minha produção para trabalhar só com as máscaras”, diz Izalita. Ela tem a ajuda mãe e do filho na confecção e de um vizinho, que passou a fazer as entregas para ela. “Estamos entregando em Campina Grande do Sul, Quatro Barras, outros municípios da região metropolitana e até Curitiba. Mas tudo de forma responsável, evitando ao máximo sair de casa e, sempre que possível, deixando as encomendas no portão das casas”. 

Claudia Zanella está vivendo a mesma situação. Ela faz artesanatos e parou todo o resto para confeccionar só as máscaras de tecido. “Comecei a confeccionar o acessório durante a pandemia. No começo era só para a família, mas depois a procura aumentou bastante”. Com a ajuda do filho, Claudia tem entregado de 12 a 15 máscaras por dia. 

O uso de máscaras, desde o começo da pandemia da Covid-19 indicado apenas para pessoas que apresentavam sintomas gripais e profissionais da saúde, na semana passada passou a ser recomendado para todos que precisam sair de casa. 
No caso das máscaras de tecido, a orientação é que seja usada por uma só pessoa. Antes de colocar o acessório, é preciso lavar bem as mãos com água e sabão e mantê-lo limpo, antes e depois da utilização.

 

Serviço: 

Iza for Baby
Localização: Jardim Graciosa, Campina Grande do Sul
CelularWhatsApp: (41) 99137-9551
Instagram: @izaforbaby
Facebook: izaforbaby

Claudia Zanella
Localização: Jardim Flórida, Campina Grande do Sul
CelularWhatsApp: (41) 98853-4003