Dia da Enfermagem: amor, cuidado e luta na linha de frente contra a covid-19

A crise sanitária causada pela covid-19 continua sendo um grande desafio para as pessoas, para o governo e para os profissionais que atuam na linha de frente do combate à pandemia, que enfrentam a batalha pela vida de seus pacientes. 

O Brasil já registrou mais de 15 milhões de casos e 423 mil mortes por covid-19. Até o momento, quase 17% da população recebeu a primeira dose da vacina contra o coronavírus e mais de 8%, a segunda dose. O sistema de saúde nacional segue em atenção para os estoques de insumos e a disponibilidade de leitos exclusivos aos pacientes com o vírus.

E nesta quarta-feira, 12 de maio, Dia Internacional da Enfermagem, é momento de homenagear esses profissionais. Nesse cenário, a atuação deles ganha destaque, pois são os responsáveis por 65% da força de trabalho no combate ao novo coronavírus, segundo o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

PISO SALARIAL

Entre auxiliares, técnicos e enfermeiros, a categoria não tem um piso salarial estabelecido. Tramita no Senado um projeto de lei que prevê um piso nacional para a categoria.

Categoria, que representa 65% da força de trabalho na pandemia, reivindica piso salarial.

A expectativa do Cofen é de que o texto seja aprovado na íntegra, o que seria um reconhecimento do valoroso trabalho desempenhado pelos profissionais de enfermagem.

O PERFIL DA CATEGORIA NO BRASIL

Formação

Enfermeiros: 20%

Técnicos e auxiliares: 80%

Sexo

Mulheres: 84,6%

Homens: 15%

Onde moram

Norte:

Enfermeiros – 6,7%

Auxiliares e técnicos – 8,3%

Nordeste:

Enfermeiros – 23,9%

Auxiliares e técnicos – 21,8%

Sudeste:

Auxiliares e técnicos – 48,8%

Auxiliares e técnicos – 49,1%

Sul:

Auxiliares e técnicos – 12,4%

Auxiliares e técnicos – 13,7%

Centro-oeste:

Auxiliares e técnicos – 8,2%

Auxiliares e técnicos – 7%

Fonte: Pesquisa Fiocruz e Cofen/2015