Campina Grande do Sul abriga empresas de diversos segmentos

O município de Campina Grande do Sul é o local escolhido por empresas de diversos segmentos para abrigar seu espaço fabril e comercial. Algumas até trabalham com produtos exóticos, como o cogumelo e a alfarroba. 

Tecnologia única para produzir alfarroba

A Carob House, com fábrica instalada em Campina Grande do Sul desde 2009, é a primeira e única empresa nacional que detém a tecnologia no desenvolvimento de produtos com a matéria-prima natural alfarroba, em substituição ao cacau, conquistando as patentes das formulações. Atualmente, são 36 funcionários que produzem de 10 a 20 toneladas ao mês de massa para derivar em produtos.

“Embora tenhamos começado com a fábrica em 2009, obtivemos nossa primeira carta de patente protocolada no ano de 2001 e lançamos nosso primeiro produto em 2003. No ano de 2018 nós chegamos a trabalhar com 70 funcionários, mas, mesmo assim, 90% desses que ainda estão conosco são moradores de Campina”, diz uma das proprietárias, Eloísa Helena Orlandi, sócia de Carmine Giunti. Conforme ela, os produtos Carob House são comercializados em todo o Brasil. “Nós estamos em processo de internacionalização e esperamos que isso seja concluído dentro de alguns meses”.

Entre os produtos produzidos pela fábrica, destacam-se: alfarroba em pó, drágeas de alfarroba, gotas de alfarroba, barrinhas de alfarroba, tabletes de alfarroba, alfarroba mix, alfarroba com damasco, alfarroba com creme avelã, entre outros. “Além de alguns locais aqui na região, como a Farmácia Unipreço e o Supermercado Festval, o nosso produto pode ser comprado online, através da loja virtual: loja.carobhouse.com”.

Eloísa lembra que os produtos Carob House também podem ser consumidos por diabéticos, celíacos, intolerantes/alérgicos a soja e ao leite, veganos e público kosher. “Por trás de cada produto, criou-se muito mais que uma marca, criou-se uma cultura de estilo de vida saudável, abrindo uma nova categoria de alimentos saudáveis no mercado brasileiro”.

Serviço: para saber mais sobre a Carob House e seus produtos, acesse o site: carobhouse.com ou ligue (41) 3162-9000.

EMPRESA SUSTENTÁVEL

“O desenvolvimento sustentável é uma prioridade para a Carob House. Seguimos esse compromisso à risca, desde a escolha da matéria-prima, a Alfarroba, e ao longo de todo o processo produtivo. Trabalhamos levando em conta o controle e redução dos impactos ambientais envolvidos, como tratamento de efluentes líquidos, correta destinação de resíduos sólidos e logística reversa de embalagens”, conta. A fábrica de Campina Grande do Sul usa de sistema inovador de tratamento de efluentes por raízes. “A caixa de resíduos gordurosos é tratada por bactérias que consomem as moléculas de gordura e a água é liberada para um filtro de pedras que, por sua vez, direciona essa água para uma plantação de bananeiras para ser filtrada pelas raízes, antes de ser devolvida à natureza”.

RECONHECIMENTOS

Entre algumas homenagens de reconhecimento por todo o trabalho da empresa, a Carob House ganhou o prêmio Finep de Inovação, em 2013; o prêmio Estadão PME (Pequenas e Médias Empresas) na categoria “Negócios Inovadores”, em 2013; o prêmio Finep, na categoria “Inventor Inovador”, em 2014 e o prêmio APAS (Reconhecimento entre 728 estandes presentes em uma das maiores feiras de atacadistas do mundo), em 2017.

Granja das Galinhas Felizes

Localizada na Estrada Zeferino Aníbal Ferrarini, no Timbu Velho, em Campina Grande do Sul, a Granja das Galinhas Felizes começou suas atividades há quatro anos, depois que os proprietários, Silvana Maines Gomes e Manolo Antoniazzi, saíram do bairro Batel, em Curitiba, para se dedicar à vida no campo. Hoje, o local tem quase oito mil galinhas e planos de expansão.

“Eu herdei essas terras dos meus pais, então quando decidimos sair de Curitiba e nos mudar para cá, nós não tínhamos experiência nenhuma, mas queríamos trabalhar aqui, usar o local. Foi então que surgiu a ideia da granja. Nós começamos com 30 galinhas”, conta Silvana. De acordo com ela, as primeiras vendas aconteceram por intermédio da sua filha. “Ela começou a comentar com os amigos sobre os ovos e, assim, as encomendas começaram a chegar”.

Com vários pedidos de ovos, o casal comprou mais 500 pintinhas. “A partir disso, nós começamos a pegar experiência e, dentro de algum tempo, essa quantidade também se tornou pouca. Foi quando compramos mais 1.500 galinhas e começamos a nos documentar”. Com a granja corretamente registrada nos órgãos responsáveis, eles agora constroem um “entreposto”, local onde passam os ovos para limpeza e embalagem, depois que saem do galinheiro. “Essa é a última exigência que nos fizeram, para que nós possamos comercializar os nossos ovos em estabelecimentos comerciais. Pois é necessário passar por esse ‘entreposto’ e, atualmente, o mais próximo daqui fica a mais de 200 quilômetros”. Depois de pronto o entreposto da Granja das Galinhas Felizes servirá outros granjas – que estiverem devidamente registradas – da região.

Silvana lembra que a criação das galinhas é caipira. “Toda a ração que oferecemos às galinhas é feita aqui, com o auxílio de um veterinário. Aqui na nossa granja, temos todo o cuidado com a criação para que a galinha exerça a natureza dela. Para isso, contamos com uma família de colaboradores que mora aqui na chácara e, juntos, realizamos um trabalho justo e excelente”.

Atualmente, a granja tem quase 8 mil galinhas e produz cerca de 4,5 mil dúzias por mês.

Cogumelos abastecem restaurantes de Curitiba

Os cogumelos Shiitke, produzidos na Nova Ecologia Cogumelos, do proprietário Rodney Koike, abastecem vários restaurantes de Curitiba. Diariamente, são 15 quilos do fungo que saem do Timbu Velho para a capital.

De acordo com Rodney, que produz cogumelos no local há 20 anos, o shiitake nasce em Toras de Carvalho Inoculadas. “Nós conseguimos colher cogumelos todos os dias. Mas, a produção é muito melhor na primavera e no outono”. Na estufa, atualmente, ele tem 800 toras. “Atendemos hoje oito restaurantes, o Mercado Municipal e feiras de Curitiba. Nossa intenção é expandir ainda mais o negócio”.

Ele explica que a colheita é feita em cestas, e na hora de vender o produto é colocado em bandejas, de 200 gramas cada ou pacotes de 0.5 gramas e 1 quilo. “A limpeza do cogumelo é feita na própria base, nas madeiras que chamamos de toras”.

Mais informações sobre o cogumelo shiitake podem ser adquiridas pelo telefone (41) 99974-0043.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!