Cerro Azul, ‘a capital da ponkan’, comemora 159 anos

Cerro Azul comemora 159 anos de emancipação política e administrativa no dia 27 de outubro. E a Praça Central estará movimentada nos dias 25 e 26, com a realização da 3ª Feira Gastronômica, com muita música, comidas e artesanato. No dia 25, às 18h, haverá a abertura oficial, seguida da apresentação da banda da Polícia Militar do Paraná, às 19h. Depois, às 20h, terá Os Piazitos e, às 21h, Zé Victor e Henrique Gabriel.

A programação segue no dia 26, às 15h, com apresentações culturais da comunidade, às 19h com show de Alexandra Cristiny e às 22h de Guilherme e Mateus. A realização é da prefeitura, atual gestão de Patrik Magari, por meio da Casa da Cultura.

Cerro Azul

O município de Cerro Azul teve sua origem com a Colônia Assunguy, fundada no ano de 1860, ao norte de Curitiba. Os primeiros administradores da Colônia foram Barata Ribeiro, Manoel Nabuco e José Borges. A Colônia prosperou rapidamente e já em 1872, era elevada à categoria de Freguesia com o nome de Serro Azul e invocação de Nossa Senhora da Guia, pertencente, então, ao município de Votuverava (hoje, Rio Branco do Sul). Em 1882, fica elevada à categoria de Vila, a Freguesia de Nossa Senhora da Guia do Serro Azul, com a denominação de Vila do Assunguy.

Em 1885, teve a sua denominação alterada para Serro Azul, em virtude de estar próxima do morro de igual nome, o qual pertence a uma ramificação da Serra Geral. Em 1897, passou à categoria de Cidade, como sede do Município de Serro Azul e, em 1929 foi mudada a grafia de Serro Azul para Cerro Azul. As atividades do município permaneceram praticamente estacionárias até o ano de 1940, quando a construção da estrada de rodagem, ligando Cerro Azul à rodovia São Paulo-Curitiba, permitiu o escoamento efetivo de sua produção, essencialmente agrícola e pastoril.

Produção

Cerro Azul é conhecida como a ‘capital da ponkan’, tão grande é a sua produção, o que garante anualmente a Festa da Laranja e da ponkan. Conforme dados atuais do Ipardes, o município produz 5,2 mil hectares de tangerina ponkan (93 mil toneladas), 200 de laranjas, 6 mil de milho, 3,8 mil de feijão, 630 de soja, 5 mil de mandioca. São expressivas ainda as criações de aves, bovinos e suínos e as produções de leite e mel de abelha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!