Caminhada lembra Dia Mundial da Esclerodermia 

Em adesão ao Dia Mundial da Esclerodermia , lembrado neste 29 de junho, várias capitais brasileiras realizarão, por meio da Associação Brasileira dos Pacientes com Esclerodermia e doenças Relacionadas (Abrapes), a 1ª Caminhada e Piquenique pela Esclerodermia. Em Curitiba, o ponto de encontro será na rua XV, Praça General Osório, às 10h. De acordo com a Abrapes, o evento, além de promover a confraternização, o empoderamento e a visibilidade desses pacientes raros, chama a atenção para a necessidade de políticas públicas que venham contemplar essa parte da população.

A data de 29 de junho foi escolhida como referência pela Federação Europeia das Associações da Esclerodermia (Fespa) em referência ao famoso pintor e artista Suíço Paul Klee, que travou um duelo com a esclerodermia sistêmica e veio a óbito no dia 29 de Junho de 1940. Este ano se comemora nove anos do Dia Mundial da Esclerodermia. Esse dia foi criado para dizer a todas as pessoas, e conscientizar, além da comunidade da saúde em geral, o que significa viver com uma patologia tão debilitante. 

Esclerodermia 

A esclerodermia pode afetar a qualquer um, de qualquer idade, apesar de acontecer mais com mulheres entre 30 e 50 anos. A incidência na população é pequena, menos de 65 casos por cada 100 mil habitantes. Classificando-a assim como rara. É um grupo de enfermidades que se caracteriza pelo endurecimento da pele, inflamação crônica do tecido conjuntivo. Uma reação autoimune leva a superprodução de colágeno que por consequência leva a fibrose. Na sistêmica afeta os órgãos internos e pode levar a óbito. Não há cura ainda, mas existe tratamento para poder desacelerar a progressão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!